insignificante
Friday, November 30, 2007
 
Base da apresentação que fiz hoje em Encinasola:

El Contrabando

Eso es la primera cosa que tengo para contrabandear con vosotros, la lengua.
Por mi defectuosa expresión en castellano que es el resultado del aprendizaje en el cariño familiar vos pido comprensión.

Hay varios momentos en el contrabando que hay que señalar, en todos ellos soy un diletante…

Introducción:

La lengua es nuestro primero contrabando, nuestra base de contactos, de comunicación y intercambio, y por toda la frontera se ha desarrollado una comunicación de palabras y señales qué continúan en el presente y ya son origen de nuevas palabras e de nuevos sígnales.

La comunicación y el intercambio de mercancías es junto con las situaciones sencillas de cada pueblo, la estructura de la economía y de la sociedad el primero tiempo del contrabando.
Hay que estudiar, recoger las formas lingüísticas resultantes del contrabando y muchas todavía entre nosotros.

Hay una, muchas lenguas de comunicación del contrabando. En Portugal tenemos aparte el mirandés que es el anticuo leones que se quedo en locales aislados, el quadrazenho y el moreno cerca de la raya de Beira, y en la zona de Castilla e Extremadura el valverdeiro, el lagartero e el manejo, o tenemos el rionorês que é un mixto anticuo entre Tras-os-montes y León.

Y evidente para nosotros el barranquenho.

El contrabando de subsistencia al contrario del grande y organizado habla la misma lengua, inventada secreta pero conocida de las gentes de los pueblos. Siempre la lengua de los más pobres e marginados.

Pues hablemos despacio…

“Hablemos de esa palabra
inventada por los hombres buenos

los pequeños contrabandistas que contrabandean
porque no tienen trabajo
están fuera de la ley

está la ley dentro de la ley?”
Manuel Pacheco, poeta oliventiño

• Primero Punto

Las historias de la historia, los pequeños hechos, de la gente de los pueblos que tenia que hacerlos para tener un poco mas de plata, para sobrevivir mismo, son historias que nuestros mayores tienen, muchas veces aun encerradas en otros tiempos del tiempo.
Es un trabajo de investigación y recopilación antropológica que hay que hacer y pienso que con este evento se puede desarrollar.

La historia del zapatero …
o la de la bicicleta pero muchas otras inventadas o non, con más o menos chiste se pueden contar hasta que el sol vuelva…
o el mechero…

Verdaderas o non son historias de nuestro pasado común.

- Tenemos informaciones que los principales productos contrabandeados eran el café, cereales e bombasíes e alpargatas, sobre eso todavía también hay mucha investigación por hacer…

Y adaptado de Valcuende del Rio, historiador andaluz:

“los guardias civiles y los carabineros eran los encargados del control fronterizo, sin embargo las penosas condiciones económicas de estos cuerpos de seguridad, limitaban claramente su eficacia. Si determinados sectores sociales necesitaban de estos para poder atravesar la frontera, estos requerían también de determinados productos básicos para subsistir; esto ocasiona que el control sobre personas y bienes fuese poco eficaz”

El guardia o el carabinero é el alter-ego del contrabandista.
Su manutención está relacionada un con el otro, como hermanos gemelos, muchas veces el intercambio sea por solidariedad social sea por alguna plata é real (frecuentemente el $ contratado con el contrabandista era más que el porcentaje de la aprehensión),
aunque engañar la Guarda o los Carabineros era un signo de audacia e coraje.
El contrabando convertía sus autores en personaje de mito.
Y como nos dice Antonio Ballesteros Doncel sobre el contrabandista, “tiene mucho de lobo, algo de mastín e bastante de caballo!” o la descripción de todos los tiempos:

“Mochileros, trajineros, arrieros y gentes de la más variada naturaleza y condición social para quienes la frontera era esa tierra de nadie en la que se movían sus anchas. Todos ellos aparecen cargados de literatura y de leyenda, pero sus vidas esconden una realidad de perfiles no muy distintos de sus paisanos. (…)
hombres que no reconocían mas fronteras que las de la supervivencia en una tierra plagada de desigualdades y sin más horizontes que aquellos que se empeñaron en contemplar las oligarquías de campanario que lo dominaban.”
….

* Secundo punto

-Otro momento es el de la historia social y en ese tema tengo que decirles que hay mucha broma e mucha invención.
La historia es un trabajo sobre el pasado que muchas veces se inventa ella misma. Los que estudiamos la historia de la historia muchas veces andamos de invención en invención, otras los dados son diversos sobre el mismo tema, otras hay la política a leer la historia…

“El Contrabando es la importación o exportación clandestina de mercancías, sin pagar los derechos asociados, o también por ese sustantivo, se designan las mercancías o productos por esa forma importadas o exportadas, siendo todavía, según la enciclopedia, un comercio prohibido o un acto ilegal, que se practica de forma clandestina.
Podemos ser más claros especificando qué se considera contrabando; algo traficado y por tanto de uso ilegal (por ejemplo, hoy en día algunas drogas), o lo que se considera legal que no pasa por ciertos peajes (donde se supone debería hacerlo) evitando el pago de impuestos (tabaco, algunas bebidas espiritosas, etc.)
Fácilmente reconocemos que nos encontramos en un terreno de gran flexibilidad, que con el paso del tiempo a veces se vuelve ilegal y por tanto contrabando, otras veces legal que, dependiendo de si está sujeto o no a impuestos y tasas de aduana puede o no, ser considerado como contrabando.”

“Es igualmente determinante para que clasifiquemos esta actividad, la certificación de los límites territoriales, es decir, la zona donde se establece la frontera en la que se puede proceder al cobro de los impuestos.”

El gran historiador portugués Alexandre Herculano nos dice que non se podía saber dónde era la raya tan grande era la área de tierras incultas y abandonadas y menciona el trigo y el aceite como los bienes que por diferencias de tasación eran comerciados ilegalmente entre Portugal y España, en 1856.

Aunque las Alfandegas (Aduana) existan desde 1833 solamente en 1885 tuvimos, en Portugal la creación de la Guarda Fiscal, para controlar las fronteras que por lo tanto solamente existen:

“oficialmente tal como definidas en el Tratado de Limites de 1864, ya que en nuestra zona, tendríamos que esperar acuerdos tales como el de la Contienda ( articulado con en el Tratado de Madrid, de 1894, donde quedó definido el actual trazado fronterizo y la integración de Barrancos en el territorio Portugués) para poner una piedra sobre esa cuestión, sólo en 1904 fue posible tener la superficie de los municipios demarcada con rigor digno de crédito.”

Tengo que mencionar aquí porque lo encontró importante aunque pueda ser incorrecto políticamente que non creo en la nación.
La nacionalidad é una situación que solo tiene origen en el echo que hemos nacido en un local, un territorio, e de las ligaciones familiares, no é una voluntad.
É una identidad socio-cultural relativa. Las fronteras son una abstracción difusa, en el espacio y el tiempo, son confluencias de sistemas jurídicos e fiscales que integran sociabilidades diferentes y nada más, y ese momento del contrabando e una ruptura con el Estado-Nación lejano e padrastro y una unión de los pueblos

Y también menciono:
“La estructura ganadera junto con la movilidad social, articulada también en torno a las festividades religiosas, mantuvieron un hibridismo, una indefinición de la zona fronteriza.
En Portugal, fue con el “Estado Novo” y su política nacionalista, constructiva de la idea de patria articulada con los problemas nacionales - en España fue con las convulsiones del régimen, que llevaron al enfrentamiento y la guerra civil (1936/1939) – las que llevaron a políticas proteccionistas con el subsiguiente control sobre las importaciones y exportaciones además de su tasación. La Cartilla de Racionamiento establecida al final de la Guerra Civil de España y que estuvo en vigor durante doce años, (siendo todavía importante recordar que en 1948 el Partido Comunista de España decide suspender la lucha guerrillera, alterando por tanto el sistema de vigilancia fronteriza, ya que la Sierra de Aroche era uno de los focos de actuación de ella)

Todas estas circunstancias llevaron a que se organizase un circuito paralelo de trueques de contrabando, donde el beneficio marginal, como tantas veces, era la base de la economía familiar. El contrabando residual hasta los años 30/40 del siglo XX, pasa a desempeñar un papel significativo en nuestras comunidades.”

- Desde el inicio del siglo XX se cuentan más de 40 puestos de la Guardia Civil entre Vila Real de Sto. António e Mourão… una media de uno cada 6 Km., solo del lado portugués.
Estos son los hechos.

Otra vez contra ciertas corrientes de la historiografía sostengo que el concepto de Contrabando es reciente (voy contra muchos historiadores que la utilizan en un sentido más amplio yo encontró que hay que utilizar las palabras en su sentido vernáculo histórico y social),
y solo la podemos utilizar a partir del siglo XIX, con la existencia de fronteras definidas y de un Estado moderno, con justicia instalada y fiscalización. Antes teníamos contra fracción o fuga a los impuestos. Esas siguen hoy día…

Para terminar este punto la origen de la palabra, contrabando:

Es una corrupción del latín “bannun” que designaba la orden papal que condenaba la venta de armas a los musulmanes.
A las leéis medievales también se chamaba bandos, y a todas las acciones contra ellas contra bando (por eso la confusión de los teóricos de la Historia)…
En ley penal es todavía el pasaje de gente o bienes entre dos fronteras sin pagar derechos…eso es del siglos XIX!

*El tercero momento es la actualidad.

Que vamos hacer con la Historia, las historias que tenemos, como transformar la historia, la socio-antropología, los hechos e los caminos en realidad o mejor acción positiva sobre la realidad.
El contrabando é memoria de estudio pero puede ser un importante utensilio de desarrollo sostenible.
La recuperación de la memoria histórica, o la mas proxima, nos puede hacer valorizar los caminos, los locales de la “guardinha” o de los carabineros como locales de reposo o de educación ambiental e articular-los con la gastronomía e la valorización de nuestros pueblos, de su pasado y presente común en una Europa sin más fronteras, que las de la autonomía y identidad cultural.
Y esa, entre nosotros barranquenhos y marochos é la misma. De familia y de amistad.
Por ahí ha mucho que hacer, por acá ha mucho que hacer, lo haremos todos.
Muchas gracias por oírme.

Bibliografía sobre contrabando en la raya utilizada:
Carregos, Contrabando na Raia, António Cabanas, edição artemágica, 2006
Memórias do Contrabando em Santana de Cambas, Luís Filipe Maçarico, edição Junta Freguesia Santana de Cambas, 2005

Labels: ,

 
Wednesday, November 28, 2007
 
Ainda Lisboa,
Hoje houve reunião do Executivo.
Lamentável que o Pedro Feist, com um discurso da pedra lascada, que qualquer ayatola subscreveria se tenha retirado do património que honra a civilidade e a luta contra a intolerância e a pena de morte.
Lamentável que o PSD tenha (indicando oposição na A.M.?) votado contra um empréstimo que permite sanear alguns dos seus erros de gestão.
Lamentável que a maioria das proposta apresentadas venham mal elaboradas, com deficiências e contradições e que não haja quem lhes deite melhor olho antes de serem apresentadas para votação.
Os tempos não vão felizes para Lisboa. E António Costa que me tem surprendido por um lado positivo, mas também tem cometido grosseiros erros de avaliação ameaçou demitir-se.
Os tempos não estão felizes.
Mas Lisboa juntou-se às cidades que a nível português e mundial afirmam valores de humanidade.

Labels:

 
 
Debate sobre o Estado da Cidade
Ontem realizou-se na Assembleia Municipal de Lisboa um debate sob esse pomposo título.
Não correspondeu...
1- O facto de a Assembleia Municipal ter a participação dos Presidentes de Junta (que deve ser corrigido na revisão da legislação autárquica se houver um minimo de bom senso) tornou este debate um rol de queixas de pormenor sem qualquer visão do Estado global da capital.
2- Nenhuma intervenção global sobre o futuro da cidade e a sua melhor lógica de desenvolvimento foi produzida, nenhuma intervenção sobre os projectos e intenções para a mesma ou uma visão global sobre a mesma se ouviu, embora deva reconhecer que António Costa na sua intervenção inicial referiu alguns tópicos e foi esmagador politicamente na intervenção final.
Faltaram cidadãos com uma visão sustentada para Lisboa para o interpelar e propiciar o debate político que deveria ter havido e não houve.
3- Fraquissimo, na média, o nível dos senhores deputados, e sobre isso não há que comentar. Salvo meia duzia de qualidade é o refugo dos partidos ou do que resta deles...
4- Ontem estive na A.M. sobre o in-estado da cidade, que se seguiu a outra onde o P.S.D. deu mais um tiro de canhão no pé. Não há pachorra, já não há mais pachorra...

Labels:

 
Sunday, November 25, 2007
 
7 Notas, de Domingo

1-Em menos de 24 horas e sem outros meios que os contactos entre amigos a petição mencionada em posta abaixo passou as 100 assinaturas.
2- Os trabalhistas ganharam na Austrália o que deixa G. Bush mais solitário seja no Iraque, seja no mundo e Timor Leste a poder respirar melhor.
3- A anedota do "irmão" Ramos Horta sobre o Zé Manel (candidato a Nobel!) corre blogs e blogs. Depois do rasgado elogio ao embaixador indonésio em Lisboa isto são..."peanuts"...
4- O Kosovo vai ser o próximo drama da Europa, infelizmente em Portugal ninguém explica decentemente o que se passa lá. Hoje notável artigo no El País. Novo conflito na Europa continua a germinar nos Balcãs.
5- Notável também, como habitualmente o artigo de Ash Gordon, no El País. O Yadismo é o novo fascismo.
6- De chorar a rir e chorar a sério porque é verdade o artigo de Antóno Barreto no Púbico de hoje. E a ASAE (como se viu na reportagem da SIC) continua atrás de fantasmas...
7- E na linha da exoneração do padre Alberto das suas paróquias, a reflexão de Frei Bento Domingues ou a entrevista de Dom Januário. É que não basta ter lido os textos do concilio Vaticano II, é preciso humanidade para compreendê-los. E compreendê-los é perceber a lógica da heteredoxia eucuménica...Vai um Vidigueira para o pessoal da Sociedade!
E boa semana para todos ustedes.
 
Saturday, November 24, 2007
 
Iniciativa do Jorge Martins, que não é demais saudar pelo seu imprescindível estudo sobre o interface do judaísmo na sociedade portuguesa e pela sua atitude cívica de combate a preconceitos e permanente denúncia de engulhos e falsificações que na nossa história são frequentes,
sendo que tenho que desde já referir esta mereceu o meu acordo e envolvimento na qualidade de membro do grupo Cidadãos por Lisboa, que subscrevem esta proposta, iniciativa que articulámos com o Bloco de Esquerda e mereceu o apoio da Presidência,
devido ao hábito nacional de adiar e adiar, que nós também não iremos deixar fazer caminho, foi lançada esta petição, que subscrevo inteiramente.
E recomendo:
http://www.PetitionOnline.com/samusque/

Labels:

 
 
Da revista Interviú:

Reportaje por: Karin CABRERA
Fotografías por: Ramón MOURELLE / Fernando GARCÍA
19/11/07
Barrancos es el único pueblo de Portugal donde la matanza del toro en una corrida es legal. “La influencia de nuestro pueblo vecino nos ha llevado a adoptar esta costumbre tan castiza que celebramos por todo lo alto los últimos tres días de agosto”, explica el alcalde barranqueño, Antonio Tereno. “Hace unos años, nuestros vecinos de Encinasola nos propusieron una idea descabellada, pero anecdótica: hacer una plaza de toros justo en la frontera, es decir, mitad española, mitad portuguesa. Así, nosotros torearíamos en nuestra parte y mataríamos el toro en suelo español. Es una demostración más de nuestra inmejorable relación”, relata Tereno.

Por lo general, el trato entre las poblaciones españolas y los países fronterizos ha sido siempre bueno, aunque destaca especialmente la amistad que une a Encinasola con Barrancos, un pueblo portugués de casas bajas blancas y amarillas, con unos dos mil habitantes, al que diez kilómetros montañosos separan de suelo español. La historia que comparten estos dos pueblos hermanados desde 1999 viene de muchos años atrás. “Siempre han sido dos pueblos muy unidos –comenta Antonio el portugués, como se le conoce en Encinasola–. Esencialmente por su situación geográfica tan próxima, pero también por los lazos sentimentales que nos han unido siempre. No podría decirte cuándo se celebró el primer enlace entre un barranqueño y una española de Encinasola, pero hace muchos, muchos años. Yo ya llevo 36 años casado, pero antes de mí hubo mucha más gente”. Estas uniones se han vuelto a repetir a lo largo del tiempo, aunque casi todos han residido siempre en España, “porque aquí la gente es más alegre, tienen otra vitalidad y una manera mucho más positiva de ver la vida y de disfrutarla”, asegura Manolo, el hermano de Antonio, que se casó también con una española, Ángeles, natural de Encinasola.

Ambos hermanos mantienen una fuerte relación con Barrancos, a pesar de vivir al otro lado. “Nuestro padre era portugués y nuestra madre, de Encinasola –aclara Manolo–. Hemos vivido experiencias que siempre nos mantendrán unidos a España y a ellos con nosotros”. Manolo se remonta a una de las épocas más crudas y sangrientas de la historia española: la Guerra Civil, un momento que obligó a su familia a residir en Portugal. “Barrancos fue durante aquellos años un refugio para los españoles y nosotros lo asumimos como tal –cuenta Antonio–. Nuestros padres acogieron en su finca ‘Las Taipas’, a pocos kilómetros de Barrancos, a muchos españoles que huían de España. A muchos, muchísimos, les dimos cobijo, y mi madre les mató el hambre con cocido y pan. No sólo les daba refugio, sino que los cuidaba. Esta es una gran razón por la que los dos pueblos siempre se han sentido unidos. Son razones que están en el corazón y que son muy difíciles de explicar”.

Como se recuerda a la madre de Manolo y Antonio, también se recuerda a un gran hombre que unió más aún estos dos pueblos: el teniente Seixas, que además de acoger en su pueblo a los refugiados españoles, consiguió transportar a muchos al puerto de Tarragona salvándoles la vida. En enero de 1937 el entonces alcalde de Encinasola le comunicó al presidente de la Cámara de Barrancos la gratitud “…que todo el vecindario honrado de esta población guarda hacia ese pueblo hermano por la fraternal y humanitaria acogida que le dispensó a cuentas familiar se vieron obligadas a refugiarse en él…”. Ambos pueblos volvieron a ser escenario de acontecimientos imborrables en la memoria de muchos encinasolenses.

Antonio Meón tiene 81 años, pero recuerda con nitidez aquellos años en los que el contrabando se convertía en la manera de vivir de muchos españoles: “La gran mayoría nos dedicábamos a esto –explica–, más que nada porque no había otra cosa. Nosotros traíamos el café, el azúcar o el pan, y en casos muy específicos la penicilina. Lo cambiábamos por tocino, coñac, almendras, aceite… aunque los portugueses tenían casi de todo. Volvíamos cargados con kilos y kilos de café cruzando montañas y ríos con el miedo a ser fusilados. En Encinasola todos éramos contrabandistas, muchos portugueses también. Compartíamos nuestra miseria”. Encinasola no olvida este apoyo, de ahí que el alcalde y a su vez médico del pueblo español asista a los enfermos de Barrancos gratuitamente. “La sanidad en Barrancos no está tan organizada como aquí. Por eso atiendo a los pacientes portugueses con mi mejor sonrisa –explica Modesto Hierro-. En realidad es una forma camuflada de agradecimiento por un apoyo que nuestro pueblo nunca olvidará”.

Contrabando: el pan de cada día
Encinasola no es el único caso de contrabando en los pueblos fronterizos. También La Línea de la Concepción y La Seu d’Urgell practicaban este oficio. En La Línea lo hacían los bosquimanos, los habitantes de los barrios marginales de la localidad, que recogían el tabaco que una planeadora arrojaba en el mar. Lo llevaban a la carrera a las chabolas y después se dispersaban a tal velocidad que ni a la policía le daba tiempo a reaccionar. Ahora son las matuteras, como se conoce a las personas que importan ilegalmente tabaco de Gibraltar, las que intentan llegar a fin de mes a través de esta práctica. “Pasar dos o tres cartones de tabaco al día es asegurarse una ganancia de casi dos euros por cartón –detalla una de las matuteras, que prefiere no revelar su nombre–. No es que ganemos mucho, pero teniendo en cuenta las jubilaciones que recibimos, si no hacemos esto, ¿cómo llegamos a fin de mes?”.
(...)
Las fronteras, hoy en día aparentemente inexistentes, siguen suponiendo un intercambio de bienes no tangibles y una mejora económica en la vida de cientos de personas. En casos especiales, como Encinasola y Barrancos, la relación va más allá de lo material: según puntualiza Antonio Tereno, el alcalde de Barrancos, “es un cariño y una amistad que se ha cuidado mucho y que lucharemos porque se mantenga siempre. Nuestros proyectos se enfocan siempre pensando en nuestros hermanos españoles, al igual que Encinasola nos tiene siempre en mente”.

Com registo de saudade e gratidão aos parentes e amigos André e Rosário e amizade fraternal ao António e Manolo primos de sangue e memória e ás suas familias.

Labels:

 
Wednesday, November 21, 2007
 
Contrabando,
hoje pude começar a ler alguns documentos para preparar a "ponencia" que sobre esse elemento social, com repercussões económicas e jurídicas, com ligações antropológicas e linguisticas tem para as comunidades raianas,
É um tema que me interessa pelo que pode significar de actualidade. De investigação recolha de testemunhos ainda vivos, recolha de pistas na fala e enxertos na linguagem, pelo registo de comportamentos, de levantamento de caminhos e recuperação de sinais nestes, com a criação de percursos de caminhada e valorização dos elementos que os estruturavam, antigas guarritas, ou quartéis ou locais de descanso dos "carregos", e análise destes e do conduto mísero com que era acompanhado e os tempos em que era feito.
Análise e enquadramento que valorizam as terras e a sua estória a sua história.
Por aqui e por ali vou recolhendo dados...
Dia 29 logo veremos como "corresponden a lo que diga".
 
Monday, November 19, 2007
 
Há muitas formas de distorcer a história, sendo uma delas usar lateralidades para a justificar, ou em nome de principios esmigalhar os principios.
Ainda bem, e claro que sou um liberal/libertário a fazê-lo, que hoje tirando os defensores da pedra lascada, numa leitura apimentada pela boçalidade do materialismo histórico, versão Staline, ninguém pode defender o muro, o de Berlim ou qualquer outro.
A história tem muitas versões (por exemplo recomendo a distorção da mesma que o neocon Berman "O poder e os idealistas", porque nos 3 primeiros capítulos tem história séria), mas não se pode esquecer que uma pessoa conta e que cada individuo que morreu a tentar atravessar o muro, todos os muros, é um.
Mas claro para o tal materialismo o papel do individuo é nulo, a não ser que seja Staline.

Este é mais ou menos o comentário que postei no "sem muros" , a propósito do que penso ser uma prosa delirante em defesa desse muro por um stalinista hoje no DN.
Há gente cujo nível de turpidez nunca deixa de surpreender-nos.

PS Afinal o artigo era de um critico de televisão que ficará na história por, certamente usando o tal materialismo, ter feito a critica de um programa...que não foi exibido, que com os seus dotes de senilidade no jornal Avante escreveu tais dislates, e foi mencionado no DN de hoje.

Labels:

 
Sunday, November 18, 2007
 
O Poder e os Idealistas, de Paul Berman
É uma vulgata e que faz o que na escola se chamava revisão da matéria dada.
Nenhuma novidade salvo no enfoque sobre o Iraque, onde defende as posições neocon do autor que são as do actual ministro francês Kouchner, distorcendo como é hábito deste grupo político as posições dos outros ou inventando...
Claro que para quem não acompanhou o movimento em França e na Alemanha, para quem andou a proclamar o guevarrismo ou quem defendeu nalgum momento uma qualquer das variedades de bolchevismo (curiosamente o único que as defendeu foi...Kouchner! no livro) encontrará novidades no livro, que é uma leitura algo revanchista do movimento liberal/libertário inspirado em 68.
Mão amiga ofereceu-mo. Li-o. Fiquei com vontade de Ler Lolita em Teerão. E mais nada. Não se pode acreditar em tudo o que se lé!
 
Saturday, November 17, 2007
 
Balibó,
recordo bem a reunião no CIDAC no dia seguinte (?) ao assassínio dos 5 jornalistas pelas forças armadas invasoras.
Pensávamos que uma intervenção (das Nações Unidas? da Austrália? da divina providência?) ainda poderia evitar o que nos parecia inevitável, a derrota de David e o sofrimento subsequente que não imaginávamos tão grande e prolongado.
Hoje faz-se história ou melhor honra-se aqueles que a queriam fazer, esses 5, e tantos outros que em nome da verdade e da informação foram mortos por totalitarismos, ditaduras e guerras.
Não deve ser esquecido e o "irmão" Ramos Horta devia ter a firmeza de exigir as consequências da verdade. Porque não há reconciliação possível nem "irmandade" com velhacos e falsificadores.

E... é inaceitável o sistema pseudo-penal da Arábia Saudita e não pode ficar sem registo do opróbio a condenação da vítima de estupro, repetido, ainda por cima a medieval pena.
Inacreditável.

Labels: ,

 
Friday, November 16, 2007
 
De manhã fui na qualidade de vereador, eventual, à recepção ao Presidente da Republica de Timor Leste, José Ramos Horta, aos Paços do Concelho.
Levava preparado o dito "uma idané itavotnia uma", a nossa casa é a sua casa, mas o protocolo impede a troca de palavras a não ser quando suscitada e R.H. não me reconheceu e portanto não dialogámos. Tenho más memória desse velho contacto creio que de 1997, dos tempos sombrios mas quando ele já se empertigava.
Tenho outras memórias de outros maiores que auxiliei ou do Maari com quem tive contactos e claro dos amigos do coração.
Lá estive na qualidade nessa cerimónia que é o exemplo do Estado... era o povo que homenageavamos no seu primeiro magistrado.
Depois reuniões, pareceres, outras reuniões, momentos de conversa, momentos de leitura de documentos, correcção de trabalhos, leituras.
Um dia cheio, também de estórias...

Labels: ,

 
Thursday, November 15, 2007
 
Noudar

Na herdade da Coitadinha, compensação para a destruição provocada pelo pântano de Alqueva, desenvolve-se passo a passo, ouvindo críticas e integrando-as e comentários no seu funcionamento um projecto quase exemplar de gestão ambiental, de sustentabilidade e de educação cívica.
Ainda com muita coisa para criticar e melhorar o projecto já vai tendo um brilho próprio e com o mérito de sabedora gestão vai fazendo o seu caminhar.
Com satisfação vemos desenvolvimentos de produção e ganadaria (há que limitar o número de cabeças de vacuum) e ouvidos à sugestão de limitar os javalis e fazer deles também um recurso cinegético com valia.
Vemos desenvolvimentos de cereal e as hortas, e na antiga quinta o Nuno e a Patricia a receberem com simpatia (há que desenvolver a restauração como actividade, o que sei está planeado...) e com a nova valência, do tanque, ficará aqui um espaço único para a calma e a natureza.
Mérito da Barbara Pinto que tem sabido ouvir as criticas e sugestões e tem pensamento próprio para cuidar este espaço onde também tenho sangue.
Voltarei aqui e a comentar este espaço onde o tempo se escoa devagar entre as azinheiras que da varanda se veêm densas a cercar o moro da capela de S.Gens, que santifica um espaço onde já houve muitos sagrados.
Ao longe, ou melhor por perto o castelo, agora em recuperação marca a história, também deste tempo.




Labels:

 
Tuesday, November 13, 2007
 
Outro dia de recolha de memórias, do tio Marujo e da tia Remédios, do Zé Baralha, e de recolha de registos do antigo quartel da Guarda Fiscal em Safara, do antigo quartel dos Carabineros na Caseta de Flores.
Outro dia de busca de memórias no presente que começou em Encinasola com o Chamizo e um historiador local, o António, e prosseguiu até ao pôr so sol, sem tempo para outros tempos.

Pelo meio noticias esperadas, do nascimento de mais uma primita, ao de uma ponencia sobre Contrabando em Encinasola, ou de bronquidades de/em Lisboa, ou melhor tiros no pé na C.M.L. (não lembra ao diabo anunciar propostas e sobretudo quando envolvem pessoas sem as ter assentes e finalizadas...), e de atrasos nos cartazes eolicos.
E outras coisas a encherem o mundo...

Labels:

 
Monday, November 12, 2007
 
Em Oliva de la Frontera com Don Manuel Mendes sobrevivente da coluna de Ortiz e militante de mérito da CNT/FAI que dos seus 92 anos ainda discorrendo com lucidez é capaz de opinar e entroncar no quotidiano passámos momentos únicos.
A vida é assim esta fúria imensa de calma.
Amanhã outro dia.

Labels:

 
Sunday, November 11, 2007
 
Cimeira,
já escrevi o que penso do populista e manipulador de democraticidade duvidosa(a democracia implica respeito pelo primado da lei e pelas liberdades públicas!) Chavéz, e os seus compinchas cubanos. Ontem foi mais um dia de vergonha para esse senhor e os seus adeptos. A má-criação e a arrogância foram castigadas com uma imensa sabedoria e autoridade, de quem está para o seu exercício legitimado, por Zapatero que os esbofeteou de luva branca e face à insistência na boçalidade e mácriação do coronel Chavéz, teve a seu lado um monarca, também legitimado pela Constituição, que, e dizendo o que lhe ia na alma e na da maioria dos presentes, o mandou calar-se, porque quem estava a falar e a defender principios era o presidente Zapatero.
Mto Bem. O resto, os resto é conversa de baixo ventre.

RAVE
É inacreditável o título e a notícia de hoje do Público. Como é que um jornal sério e pela mão de um jornalista regularmente pago por empresas ferroviárias (e ferveroso adepto da OTA) publica um artigo sem a mínima análise dos factos, sem questionar as formas e processos, que parece publicidade, também paga, a essa empresa para a qual pagamos fortunas sem que seja clara qual a utilidade.
Assim, é assim que vamos...

 
Saturday, November 10, 2007
 
Penso que no nosso país haverá 30 a 40% de católicos praticantes, talvez até menos (por exemplo se consideraramos como prática a observação dos Mandamentos sem sequer referir a prática liturgica talvez desçamos para os 20%).
Haverá talvez 10 a 15% de praticantes de outras religiões, com o islamismo crescente, ou seja menos de 50% da população portuguesa é observante das crenças que diz em censo professar, seja por fugas ao ritual, seja por abjuros obvios, por isso é particularmente relevante o puxão de orelhas que publicamente o Papa hoje deu à Confereência Episcopal portuguesa.
“é preciso mudar o estilo de organização da comunidade eclesial portuguesa e a mentalidade dos seus membros para se ter uma Igreja ao ritmo do Concílio Vaticano II, na qual esteja bem estabelecida a função do clero e do laicado, tendo em conta que todos somos um, desde quando fomos baptizados e integrados na família dos filhos de Deus, e todos somos corresponsáveis pelo crescimento da Igreja”
Penso ser da maior relevância quando continua a haver continuas intromissões do clero na vida social, desrespeitando os textos conciliares e a lógica destes, e quando continua a haver (ainda hoje no telejornal mostraram uma prática pagã "inqualificável" penso que em Sernancelhe, revertida pela Santa Madre Igreja, e por um paroco em seu nome, em seu favor...) hipocrisia a rodos nas práticas eucarísticas que se analise este ralhete.
O sr. Padre Alberto de Barrancos devia ver já, mas já, o olho da rua.
Vamos ver até onde vai o ralhete....

Labels:

 
 
Cabo Verde,
no Teatro Meridional (ao Poço do Bispo) é uma excelente interpretação de Carla Galvão, excelentemente acompanhada por Fernando Mota, com uma encenação eficaz e num espaço agradável.
É uma selecção de textos de autores das ilhas da morabeza, retratando situações que para quem as conhece e a vida destas não podiam ser mais reais.
Ao longo de cerca de uma hora ouvimos, sentimos o respirar daquele povo, o cheiro daquela terra, o som que a acompanha, transportados numa visita guiada a tempos e modos que caracterizam espaços e vivências.
Uma descoberta comprazer, a comprazer de sabedura.

Labels:

 
Friday, November 09, 2007
 
Suntory,
merece a visita pelo alto nível de simpatia, de decoração e de qualidade e inovação nessa. É certamente e desde já uma referência de topo da cozinha japonesa na capital não desmerecendo o Aya, que é de outro mundo.
Os pratos são excelentes com experiências novas e qualidade de apresentação e de gosto. O ambiente é excepcional e a simpatia no atendimento de registar.
Do Uramaki ao maki, do sashimi ao ice roll (surpresa a repetir!) tudo deixou palato. Menos palato mas calor também fica nota para o sho chu, só recomendável a quem não conduza.
Parabéns pelo vento que sopra, pela vida que passa pelo suntory que fica...

Labels:

 
 
Ainda os 90 anos,
coloquei a posta anterior em dois blogs comunistas ou pós comunistas sem que tenha havido qualquer contestação a não ser umas bocarras duns fanáticos, sem qualquer desmentido na forma.
Existe muita referência sobre a "entente" entre Ulianov e o Kaiser (foi transportado protegido em comboio blindado até onde quis, assim que tomou o poder declarou tréguas e rendição, não interveiu quando do genuíno levantamento democrático e operário alemão dando oportunidade de chacina às forças reaccionárias, etc....) continuado na mesma tradição pelo pacto germano-soviético que libertou as mãos da Alemanha para a guerra no Ocidente e que permitiu que a 2ª guerra fosse o que fosse.
Claro que não há provas de "pagamento" nem o registo dos agentes russos ao serviço dos alemães, mas será preciso mais alguma coisa?
Sobre o processo económico (e a revolução russa é um simples processo de criação das condições de acumulçação de capital, os sovietes mais electricidade, sendo que Bronstein dizimou os ditos e a energia é a ponta do processo de desenvolvimento industrial e de acumulação, aticulado com a destruição das estruturas camponesasa feudais), ver B. Betleheim que é exemplar na explicação destas articulações, economista e pensador profundo, que usa as diversas metodologias de análise histórica e económica para nos explicar todos os tramites da formação do capital e da estruturação do capitalismo de Estado (de clique mafiosa), conselhista.
Claro que uma coisa é a crítica frontal a esta mistificação e ao seu idolatramento seja a que título for, seja com o icone que quiserem (Trotsky, Bukarine, ou o raio que o parta) outra é com aqueles que por lógicas religiosas continuam a defender essas épicas (juntem os santos que quiserem...) debater e confluir em acções concretas e elaborar pensamento positivo para o futuro.
Deste asco do passado façamos como dizia Braudel, tabua rasa.
Mas não o esqueçamos, nem os desastres que em seu nome, os crimes que em sua defesa, as atrocidades inomináveis por ele foram cometidas.
 
Wednesday, November 07, 2007
 
Foi há 90 anos,
que um grupo de individuos estruturados em organização militar e com escasso apoio social, agentes alemães e ex-membros da polícia do czar, facínoras de todas as origens, invadiu o centro de poder russo e sem qualquer apoio de "massas" fez a revolução de Outubro.
Estavamos num país feudal, onde as relações de produção capitalistas eram escassas e embrionárias, onde os camponeses eram servos e os operários membros de uma "aristocracia" operária e mencheviques, devastado por uma guerra e com indices de miséria enormes.
Os camponeses deixaram de ser servos, foram aniquilados à fome, os operários foram fuzilados com os seus "sovietes" por Leon Bronstein, o bolchevista Trotzky, a guerra contra os alemães parou (lembrem-se que agentes dos mesmos entre os quais Ulianov que era pago pelo Kaiser estavam entre os bandido que tomaram o Palácio de Inverno) e mesmo quando a revolução alemã, essa sim uma verdadeira revolução operária e social liderada por uma mulher notável Rosa Luxemburgo, pediu auxilio nada, nada que os compromissos poderiam ser divulgados..., mas começaram uma guerra civil sem quartel de mortandades inumeras.
A chamada revolução de Outubro criou condições para a acumulação primitiva de capital e o desenvolvimento de relações de produção capitalistas (chamada Nova Política Económica) sem capitalistas e estruturando-se como capitalismo de Estado, Estado este capturado por um clique mafiosa, que rapidamente se começaria a auto-devorar, todos denunciando todos sem quaisquer principios nem moral.
A história prossegue o seu caminho, enquanto não se compreender que o comunismo, socialismo real, sovietismos seja com que variante for não é senão uma enorme mentira que trucidou em nome de uma ideia religiosa milhões de pessoas para isto não se compreendeu nada.
A discussão sobre isto só pode conduzir ao separar de águas.

Labels:

 
Tuesday, November 06, 2007
 
Mau, mau, muito mau...
era essa a sensação quando olhávamos para a bancada do PSD e sobretudo para o seu líder. Mau, muito mau... há que fazer tudo, mas mesmo tudo para que essa gente não volte a ser nada, nada na área da governança, mesmo que para isso tenhamos que suportar o desvario de medidas e o autoritarismo cada vez mais sem principios nem moral do actual governo, que esse, contra essa gente, seja o futuro.
Inacreditável que a medida tirada do chapeu tenha sido a vacina contra o colo, perdão o cancro do colo do útero, quando não há testemunhos que tal seja de eficácia garantida e quando estamos no cú da Europa na Educação e na Saúde, o que claro o actual PSD não pode contestar, pois não foram eles os responsáveis das maiores trapalhadas e do imenso anedotário que foi o governo do agora líder parlamentar e da sua compinchagem do PP?
Inacreditável que não haja uma oposição credivel (o Jerónimo valho-o deus que já não há paciencia para lhe suportar os telhados de vidro...) e o Bloco tem que abandonar as excentricidades e essas continuam a pesar muito, mas apesar de tudo são os unicos (o B.E.) que dão credibilidade e fundo a uma perspectiva séria de combate político.
Cada vez mais sinto vontade de me alistar...
Até amanhã...

PS ( a pedido de várias famílias)
Um especialista em rastreio de Doenças Oncológicas recomendou prudência na utilização da vacina contra o Cancro do Colo do Útero, já que faltam estudos sobre se a sua eficácia é superior a 10 anos.
"Este tipo de situações tem de ser equacionado com cuidado. É uma vacina que joga com doenças crónicas, com grande tempo de latência, que eventualmente só a longo prazo irão aparecer", disse aos jornalistas Vítor Rodrigues, responsável pelos rastreios da Liga Portuguesa contra o Cancro.
"Vai ter de ser estudada durante mais tempo para ver a sua eficácia, a sua utilidade a médio e longo prazo.
Sabemos que é eficaz alguns anos, menos de uma década de vida. Necessita de mais estudos e não pode ser considerada, neste momento, uma vacina que vai responder a todo o tipo de problemas", afirmou Vítor Rodrigues.
O especialista considerou que se corre o risco de existir uma "corrida "à vacina, a população pensar que se pode prevenir o cancro "sem ligar aos tais aspectos de eficácia, sem cuidar de determinado tipo de condições, sem olhar ao aspecto económico".
"Não sei se não se vai criar aqui algum tipo de nevoeiro. Mulheres de 30 e 40 anos poderão querer tomar a vacina, sabendo-se que provavelmente a eficácia não será tão grande e originar alguma forma de descrédito na própria vacina, o que é mau. São tudo aspectos que têm de ser analisados".
 
Sunday, November 04, 2007
 
Madrid,
é outra história.
Voltei a ficar no Santander, pequeno e barato hotel mesmo no centro de tudo.
O ar de Madrid, antes de tudo, transforma o viajante num residente, os bares um ocasional num permanente, parece que estamos, estivemos, aqui desde sempre.
E podemos esperar por todo o tempo que é igual...
No Thyssen (agora, só agora?, descoberto nazi) Bornemisza uma temporária de Durer & Cranach (genial o Durero dos castelhanos!) e uma passagem pelos de sempre, os impressionistas e os modernistas, o Picasso e o melhor, o melhor de todos, o sonho do Dali.
No Rainha Sofia só tempo para uma notável exposição de fotos (Jano) e a Paula Rego (que me pareceu mais arejada no CCB) onde se choca com portugueses e comentários.
E o Prado na "cola", para a próxima...
E as compras na Casa do Livro de grossos calhaus para leituras de lareira e as tapas e mais tapas, e o tempo que continua a colar-se à pele como se não quisesse deixar-nos o olhar.
3 dias de Madrid, 3 dias no passado e no futuro.

Labels:

 
civetta.buho@gmail.com

ARCHIVES
06/01/2003 - 07/01/2003 / 07/01/2003 - 08/01/2003 / 08/01/2003 - 09/01/2003 / 09/01/2003 - 10/01/2003 / 10/01/2003 - 11/01/2003 / 11/01/2003 - 12/01/2003 / 12/01/2003 - 01/01/2004 / 01/01/2004 - 02/01/2004 / 02/01/2004 - 03/01/2004 / 03/01/2004 - 04/01/2004 / 04/01/2004 - 05/01/2004 / 05/01/2004 - 06/01/2004 / 06/01/2004 - 07/01/2004 / 07/01/2004 - 08/01/2004 / 08/01/2004 - 09/01/2004 / 09/01/2004 - 10/01/2004 / 10/01/2004 - 11/01/2004 / 11/01/2004 - 12/01/2004 / 12/01/2004 - 01/01/2005 / 01/01/2005 - 02/01/2005 / 02/01/2005 - 03/01/2005 / 03/01/2005 - 04/01/2005 / 04/01/2005 - 05/01/2005 / 05/01/2005 - 06/01/2005 / 06/01/2005 - 07/01/2005 / 07/01/2005 - 08/01/2005 / 08/01/2005 - 09/01/2005 / 09/01/2005 - 10/01/2005 / 10/01/2005 - 11/01/2005 / 11/01/2005 - 12/01/2005 / 12/01/2005 - 01/01/2006 / 01/01/2006 - 02/01/2006 / 02/01/2006 - 03/01/2006 / 03/01/2006 - 04/01/2006 / 04/01/2006 - 05/01/2006 / 05/01/2006 - 06/01/2006 / 06/01/2006 - 07/01/2006 / 07/01/2006 - 08/01/2006 / 08/01/2006 - 09/01/2006 / 09/01/2006 - 10/01/2006 / 10/01/2006 - 11/01/2006 / 11/01/2006 - 12/01/2006 / 12/01/2006 - 01/01/2007 / 01/01/2007 - 02/01/2007 / 02/01/2007 - 03/01/2007 / 03/01/2007 - 04/01/2007 / 04/01/2007 - 05/01/2007 / 05/01/2007 - 06/01/2007 / 06/01/2007 - 07/01/2007 / 07/01/2007 - 08/01/2007 / 08/01/2007 - 09/01/2007 / 09/01/2007 - 10/01/2007 / 10/01/2007 - 11/01/2007 / 11/01/2007 - 12/01/2007 / 12/01/2007 - 01/01/2008 / 01/01/2008 - 02/01/2008 / 02/01/2008 - 03/01/2008 / 03/01/2008 - 04/01/2008 / 04/01/2008 - 05/01/2008 / 05/01/2008 - 06/01/2008 / 06/01/2008 - 07/01/2008 / 07/01/2008 - 08/01/2008 / 08/01/2008 - 09/01/2008 / 09/01/2008 - 10/01/2008 / 10/01/2008 - 11/01/2008 / 11/01/2008 - 12/01/2008 / 12/01/2008 - 01/01/2009 / 01/01/2009 - 02/01/2009 / 02/01/2009 - 03/01/2009 / 03/01/2009 - 04/01/2009 / 04/01/2009 - 05/01/2009 / 05/01/2009 - 06/01/2009 / 06/01/2009 - 07/01/2009 / 07/01/2009 - 08/01/2009 / 08/01/2009 - 09/01/2009 / 09/01/2009 - 10/01/2009 / 10/01/2009 - 11/01/2009 / 11/01/2009 - 12/01/2009 / 12/01/2009 - 01/01/2010 / 01/01/2010 - 02/01/2010 / 02/01/2010 - 03/01/2010 / 03/01/2010 - 04/01/2010 / 04/01/2010 - 05/01/2010 / 05/01/2010 - 06/01/2010 / 06/01/2010 - 07/01/2010 / 07/01/2010 - 08/01/2010 / 08/01/2010 - 09/01/2010 / 09/01/2010 - 10/01/2010 / 10/01/2010 - 11/01/2010 / 11/01/2010 - 12/01/2010 / 12/01/2010 - 01/01/2011 / 01/01/2011 - 02/01/2011 / 02/01/2011 - 03/01/2011 / 03/01/2011 - 04/01/2011 / 04/01/2011 - 05/01/2011 / 05/01/2011 - 06/01/2011 / 06/01/2011 - 07/01/2011 / 07/01/2011 - 08/01/2011 / 08/01/2011 - 09/01/2011 / 09/01/2011 - 10/01/2011 / 10/01/2011 - 11/01/2011 / 11/01/2011 - 12/01/2011 / 12/01/2011 - 01/01/2012 / 01/01/2012 - 02/01/2012 / 02/01/2012 - 03/01/2012 / 03/01/2012 - 04/01/2012 / 04/01/2012 - 05/01/2012 / 05/01/2012 - 06/01/2012 / 06/01/2012 - 07/01/2012 / 07/01/2012 - 08/01/2012 / 08/01/2012 - 09/01/2012 / 09/01/2012 - 10/01/2012 / 10/01/2012 - 11/01/2012 / 11/01/2012 - 12/01/2012 / 12/01/2012 - 01/01/2013 / 01/01/2013 - 02/01/2013 / 02/01/2013 - 03/01/2013 / 03/01/2013 - 04/01/2013 / 04/01/2013 - 05/01/2013 / 05/01/2013 - 06/01/2013 / 06/01/2013 - 07/01/2013 / 07/01/2013 - 08/01/2013 / 08/01/2013 - 09/01/2013 / 09/01/2013 - 10/01/2013 / 10/01/2013 - 11/01/2013 / 11/01/2013 - 12/01/2013 / 12/01/2013 - 01/01/2014 / 01/01/2014 - 02/01/2014 / 02/01/2014 - 03/01/2014 / 03/01/2014 - 04/01/2014 / 04/01/2014 - 05/01/2014 / 05/01/2014 - 06/01/2014 / 06/01/2014 - 07/01/2014 / 07/01/2014 - 08/01/2014 / 08/01/2014 - 09/01/2014 / 09/01/2014 - 10/01/2014 / 10/01/2014 - 11/01/2014 / 11/01/2014 - 12/01/2014 / 12/01/2014 - 01/01/2015 / 01/01/2015 - 02/01/2015 / 02/01/2015 - 03/01/2015 / 03/01/2015 - 04/01/2015 / 04/01/2015 - 05/01/2015 / 05/01/2015 - 06/01/2015 / 06/01/2015 - 07/01/2015 / 07/01/2015 - 08/01/2015 / 08/01/2015 - 09/01/2015 / 09/01/2015 - 10/01/2015 / 10/01/2015 - 11/01/2015 / 11/01/2015 - 12/01/2015 / 12/01/2015 - 01/01/2016 / 01/01/2016 - 02/01/2016 / 02/01/2016 - 03/01/2016 / 03/01/2016 - 04/01/2016 / 04/01/2016 - 05/01/2016 / 05/01/2016 - 06/01/2016 / 06/01/2016 - 07/01/2016 / 07/01/2016 - 08/01/2016 / 08/01/2016 - 09/01/2016 / 09/01/2016 - 10/01/2016 / 10/01/2016 - 11/01/2016 / 11/01/2016 - 12/01/2016 / 12/01/2016 - 01/01/2017 / 01/01/2017 - 02/01/2017 / 02/01/2017 - 03/01/2017 / 03/01/2017 - 04/01/2017 / 04/01/2017 - 05/01/2017 / 05/01/2017 - 06/01/2017 / 06/01/2017 - 07/01/2017 / 07/01/2017 - 08/01/2017 /


Powered by Blogger